Muitos Amigos e Companheiros têm reclamado que gostariam de conhecer minhas opiniões sobre os assuntos do dia-a-dia, sobre as matérias dos noticiários, etc. Sempre ignorei tais instâncias porque, em primeiro lugar, pouca importância dou ao que a imprensa burguesa veicula, e, segundo, não entendo a relevância da opinião pessoal de um indivíduo que nunca se notabilizou em coisa alguma e que é o famoso “lustre desconhecido”. Mas, de uns tempos a esta parte, as solicitações estão se tornando mais constantes e algumas até raiando a impertinência, então, resolvi atender ao pedido. Todavia, posso adiantar que, para a decepção geral, minhas opiniões, via de regra, discordam da opinião dominante, são politicamente ultra incorretas e chocarão certamente a sensibilidade burguesa.

sexta-feira, 31 de maio de 2013

Alta burguesia troca sopapos na fria madrugada carioca.

Na madrugada do dia 26 de Abril de 2013, domingo, o Prefeito do Rio de Janeiro, sr. Eduardo Paes jantava com sua Esposa e outros burgueses seus Amigos em Restaurante caríssimo do Jardim Botânico, tranquilamente, sem qualquer preocupação com a população abandonada pelas Ruas do Rio passando frio e fome. Então, do nada, o sr. Bernardo Rinaldi Botkay, um ilustre desconhecido que se diz músico e escritor (mais um!) e sua digníssima Esposa, a sra. Ana Maria Bonjour, movidos a famosa coragem etílica dirigiram-se à mesa onde se encontrava o Prefeito e começaram a xingá-lo, isto é, começaram a dizer o que todos pensam dele... Após tolerar alguns minutos da descompostura, o Prefeito Eduardo Paes, numa das poucas atitudes dignas de sua vida, levanta-se e cala o suposto músico com um potente soco. Curiosamente, a segurança do Prefeito só reagiu depois que ele havia feito a principal parte... , vendo os seguranças finalmente saírem do imobilismo, a Esposa do pretenso escritor também resolveu entrar no ringue acabando por levar a pior, pois, quando o casal de bêbados foi devidamente atirado à rua pelos tais seguranças, ela caiu de joelhos, ferindo-se e sangrando abundantemente. O casal defensor da população pobre, que, no entanto estava jantando no mesmíssimo Restaurante de luxo, foi imediatamente prestar queixa na Delegacia mais próxima, com direito até a exame de corpo de delito na sra. Bonjour, que bem poderia trocar o seu estrambótico sobrenome para “Mauvaisnuit”.

Este assunto não me despertou qualquer interesse, mas, um Companheiro nosso insistiu que eu desse a minha opinião a respeito, então, em consideração a este dileto Amigo vou dá-la, mesmo considerando-a uma bela inutilidade.

O  episódio todo em si revela o acovardamento generalizado em que vivemos no Rio de Janeiro. O Casal só teve coragem de dizer umas verdades ao sr. Eduardo Paes porque tinham entornado todas, não estivessem calibrados apenas ficariam na sua própria mesa sussurrando sua indignação contra o Prefeito. O Prefeito, que já devia também estar um pouco alto, na frente da Esposa e de Amigos pessoais, se viu subitamente tomado de coragem e resolveu defender a “honra” esmurrando o músico de araque, estivesse sóbrio e sozinho teria fugido junto com os seguranças, que apenas cobririam sua “retirada estratégica de uma zona de conflito”. O Casal 20, ainda alcoolizado apresentou-se numa Delegacia para Registrar Boletim de Ocorrência, e aí, menos emborrachados começam a marcha ré na intrepidez: A agressão foi só na Sra. Bonjour e o sr. Botkay é apenas testemunha (idem no IML), e os agressores são apenas os seguranças e o nome do Prefeito não é nem ao menos citado! Já o sr. Eduardo Paes acabou por emitir nota oficial onde se explicava e pedia desculpas à população carioca, pois, como Prefeito não deveria ter partido para a agressão física! Posteriormente, o sr. Botkay retira a queixa contra o Prefeito (mas, o BO não era da sra. Ana Maria Bonjour e contra os seguranças?) e divulga carta em que se justifica: queria transferir o assunto da “esfera criminal” para a “esfera política”. Eu como o meu chapéu se esses dois bobalhões não forem Eleitores do asqueroso Marcelo Frouxo. Antecipo que não tenho chapéu...

Se alguém não entendeu vou ser mais claro: Covardia do Casal, que só teve peito porque estava movido pelo álcool. Sóbrios, ficaram com medo, retiraram a queixa e forjaram uma desculpa política para sua ação impensada. Covardia do Prefeito, que agiu como homem, talvez pela primeira vez na vida, também porque bebera um pouco além da conta. Recobrada a sobriedade, voltou a ser o velho pusilânime de sempre e pediu desculpas... Se fosse homem mesmo diria: Bati e se me ofenderem de novo, bato mais forte ainda. Assim agia o nosso saudoso Presidente Figueiredo, que Deus o tenha em bom lugar. Mas, o sr. Eduardo Paes perdeu mais uma oportunidade de se engrandecer junto ao grosso da população carioca, que veria com bons olhos um Homem a testa do Município, e preferiu se rebaixar mais uma vez ao nível do politicamente correto. O sr. Eduardo Paes continua sendo o pior Prefeito da História do Riode Janeiro. Lamentável!


Anauê!

domingo, 5 de maio de 2013

Uma amostra do estado de decomposição moral da sociedade burguesa


No dia 11 de Abril de 2013, com toda a pompa e circunstância do “politicamente correto” foi reinaugurado e “rebatizado” o Túnel Acústico, que é parte da ligação entre a Gávea e São Conrado, bairros chiques do Rio de Janeiro. O túnel agora se chama “Túnel Acústico Rafael Guimarães”.

Quem é o homenageado? Um escritor, um médico, um cientista, um pensador de valor, um poeta, enfim, um Brasileiro que tenha feito alguma contribuição de vulto ao nosso Povo? Não. Trata-se de um simples e comum “skatista” que se notabiliza unicamente por ser filho da assalariada global Cissa Guimarães.

Mas, então, por que o Túnel Acústico, velho de quatro décadas, recebeu o nome de “Rafael Guimarães”? Em 2010, o Túnel Acústico fora interditado, não respeitando a proibição um grupo de “skatistas”, entre os quais o jovem Rafael Guimarães, resolveu usar o túnel como pista de “skate”, apesar de haver áreas para a prática de tal esporte por toda a Cidade; infelizmente, outro jovem, mostrando a mesma falta de respeito pela interdição entra no Túnel Acústico, porém, motorizado e atropela com seu automóvel o pobre jovem que morre poucas horas depois.

Todo o episódio, a burla à interdição, o atropelamento, as campanhas pedindo justiça e punição, até a homenagem ao jovem indigitado, é bastante revelador do estado moral da sociedade brasileira.

O  fato é que, se os Pais de todos os jovens envolvidos tivessem dado menos ouvido ao canto de sereia da ideologia do “politicamente correto” e mais à Moral, a velha e boa Moral, ensinando o que é certo e o que é errado, então, aqueles jovens não desobedeceriam à interdição e, portanto, um deles estaria vivo e o outro não carregaria para o resto da vida a sina de assassino.

Imediatamente, após a tragédia, começa-se a campanha: “justiça”, “até quando crimes no trânsito ficarão impunes” e frases assemelhadas entupiram a imprensa falada, escrita e televisionada, bem como, as redes sociais. Lamentavelmente, todos os dias morrem pessoas vítimas da imprudência – imprudência de motoristas, ciclistas, motociclistas e até mesmo pedestres, que teimam em não atravessar na faixa ou o fazem com o sinal aberto para os carros, etc. -, e não se vê tamanha indignação e tentativa de mobilização pública como no caso em questão. Por quê? Porque a vítima é filha de uma assalariada da TV Globo, a sra. Cissa Guimarães. Então, todos os artistas, jornalistas, políticos demagogos e outros espertos em busca de notoriedade saíram em campo exigindo que se fizesse justiça. Ninguém lembrou que a vítima, antes de tal, era transgressor, pois, o túnel estava interditado para manutenção, e não apenas para os automóveis, aliás, “skates” não poderiam trafegar no túnel mesmo que não estivesse fechado... Ninguém lembrou que os colegas “skatistas” deveriam ser corréus, porque reforçaram no pobre Rafael o desejo de violar a interdição, e que se ao invés de incentivar – e participar – tivessem aconselhado ao Rafael que não deveria usar o túnel e sim procurar uma pista de “skate” oficial, ele certamente estaria vivo, o que significa que não apenas o motorista, mas, também os “amigos” do Rafael são responsáveis por sua morte.

Todavia, vivemos numa época em que todos fogem da própria responsabilidade. Assim, a assalariada da rede Globo, artistas, jornalistas, os “amigos” do Rafael, incluindo os que estavam com ele no túnel infringindo a interdição, enfim, todos os que participaram da campanha pedindo “justiça”, só viram responsabilidade e  culpa no outro jovem, e querem o rigor da Lei para o mesmo. Fosse o jovem Rafael Bussamra um morto de fome, já estaria atrás das grades, mas, não é, e desde quase o momento do atropelamento, seu Pai, mostrando a própria formação moral, tentou acobertar o crime subornando a autoridade policial mais próxima, porém, para azar do Empresário, a vítima não era um zé ninguém, era filho de uma assalariada da famigerada família Marinho, se fosse um trabalhador atropelado, indo ou voltando do trabalho, seu filho ficaria tão impune quanto o Thor Batista. O próprio atropelador chegou a defender-se dizendo que buzinou e desacelerou e que o Rafael fez uma manobra brusca e inesperada, daí o atropelamento, ou seja, a culpa é do defunto(!), quem mandou ficar no caminho...

Então, no ápice da insensibilidade moral da sociedade burguesa, com o beneplácito do pior Prefeito da História do Rio de Janeiro, o sr. Eduardo Paes, foi dado o nome de um infrator a um Túnel da Cidade Maravilhosa, apenas porque teve a infelicidade de ser fatalmente vitimado naquele local. Homenagem injusta e imerecida. Lastimo, como todo mundo, a perda de uma vida preciosa, de um jovem com toda uma existência pela frente, mas, o fato concreto e iniludível é que se ele não tivesse desobedecido à interdição estaria vivo. Repito: Rafael Guimarães não merecia aquela homenagem. Já pensaram se a moda pega? Se resolverem mudar os nomes de logradouros todas as vezes que alguém for atropelado? Praças, ruas, avenidas, viadutos, etc. estariam trocando de designação todos os dias. Mas, não se preocupem, isto não acontecerá, pois a totalidade das vítimas de tais fatalidades são pessoas comuns, sem prestígio, sem pais importantes, apenas trabalhadores na labuta diária.

Enfim, só espero que a tristíssima adversidade que atingiu a sra. Cissa Guimarães, - e com cuja dor me solidarizo, pois, sou Pai -, repito, espero que a sra. Cissa Guimarães com tal perda se compenetre que cada ser humano é único, singular, insubstituível e, portanto, pare de fazer campanha pró-aborto.

Anauê!